• Aug
    01
    Author: Erick Pessoa

    Não tem como se contestar que uma das grandes atrações na cidade do Porto são as caves de vinho de mesmo nome, o que acaba por ser irônico já que na verdade estas ficam em outra cidade, Vila Nova de Gaia. Com tantas caves, como saber qual visitar? Com esse intuito resolvi visitar o maior número de caves em dois dias para poder ao menos elucidar as principais dúvidas que um turista brasileiro possa ter.

    Critérios

    Meu critério foi relativamente simples e direto. De acordo com a AEVP (Associação das Empresas do Vinho do Porto), são 12 caves com visitação e degustação oferecidas em Vila Nova de Gaia. Dessas 12, visitei as sete que já conhecia de nome e se encontram em uma área de relativo fácil acesso para turistas sem carro. 

    Como chegar?

    Se você, como a maioria dos turistas, está hospedado no Porto em vez de Vila Nova de Gaia, estas serian as maneiras mais acessíveis de se chegar às caves: 

    Andando - Porto não é uma cidade grande, pelo contrário. A região central pode ser toda coberta por caminhadas de 20 minutos, meia hora no máximo. O desafio são as ladeiras, presença constante nesta cidade com uma arquitetura quase medieval e suas ruelas estreitas. Pode-se atravessar à pé o Rio Douro pela bela ponte Luis I. A maioria das caves são à beira d’água então são fáceis de se chegar.

    Metrô - A estação Jardim do Morro é a primeira do outro lado do rio. Saindo do centro do Porto, são em torno de 4 estações via linha amarela e custa em torno de 3 euros (ida). O detalhe é que você salta lá no alto do morro e a forma mais fácil, e sinceramente a mais bonita, é pegar o teleférico para o cais. O custo do teleférico é de 8 euros ida e volta e o visual é espetacular. São apenas 5 minutos de viagem. 

    Ônibus de turismo Yellow Bus - Todos eles dão uma passadinha em Gaia então se já estiver afim de fazer um tour pela cidade (11 euros por um dia) pode saltar no cais e ir na cave que escolher. Este é aquele ônibus de dois andares que é aberto em cima.

    Carro - Se estiver de carro alugado, existem vários estacionamentos pelo cais, o principal bem próximo ao teleférico e nem é tão caro. Parei o carro lá por um dia inteiro (mais de 12 horas) e paguei 15 euros. Como visitar as caves em si é algo rápido, realmente carro não é a melhor forma pois já que está aqui, é melhor curtir a lindíssima vista que se tem do Porto.

    Tour pelas caves

    Escolhi o mesmo tipo de passeio em todas as caves. Praticamente todas elas (com exceção da Cruz) oferecem um tour básico e vários tipos de upgrades, focado principalmente nas provas. Quanto mais caro você quiser pagar, melhor será o vinho da prova, obviamente. Em termos de conteúdo do tour, isso não muda com o preço, o conteúdo será o mesmo e vale dizer que não importando a cave que escolha, os guias são excepcionais! Os portugueses estão de parabéns com a qualidade dos guias. Além de saber o script pré-definido no tour, são simpáticos e sabem tudo sobre vinho do Porto, seu preparo e sua história. Além disso peguei tours em português, espanhol, inglês e francês (por causa dos horários pois tive que comprimir quatro visitas em uma tarde) e todos falam perfeitamente os três idiomas além do português. No tour pela Offley o guia se alternava em espanhol e em francês sem nenhum problema e com sotaque zero. Altamente bem treinados. 

     Os tours são quase idênticos em todas as caves. Explicam a origem do vinho Porto, o que faz dele especial e diferente do tradicional vinho de mesa e as variações do vinho (tinto, ruby, tawny, branco e agora o pink) e como essas variações são alcançadas. Essas explicações ocorrem normalmente enquanto caminhamos entre os tonéis onde são envelhecidos os vinhos, com excessão da Cruz, que toda a explicação é feita através de uma TV touchscreen enorme pois a Cruz não tem uma cave aberta à visitação em Vila Nova de Gaia. Na verdade só incluí a Cruz neste artigo pois é um espaço multimídia recém-aberto e eles dão exatamente a mesma explicação e oferecem também provas de vinho. 

     Provas

    Falando em provas de vinho, na verdade o preço que é pago do ticket deve ser para isso. Todas elas oferecem provas de um tawny e um branco. Vale dizer que a Offley foi a única a oferecer o lágrima, vinho do Porto branco novo e mais doce como prova. Logicamente se quiser provar outros, pode-se comprar provas extras. Aqui um ponto para a Cruz e para a Croft, ambas oferecem três provas, incluindo além do tawny e branco, a Cruz oferece o ruby e a Croft oferece o Pink.

    Preço

    A maioria custa 4.5 euros. A Offley e a Croft, talvez por serem fora da orla e requerer uma certa caminhada, oferecem os tours mais baratos (Offley por 2.5 e a Croft, 3 euros). Imbatível é o preço da Cruz, gratuito e com três provas. Mesmo sendo mais cara (5 euros), a Ramos Pinto oferece além da visita à cave, uma visita ao museu Adriano Ramos Pinto, fundador da marca. O museu é muito interessante e extremamente bem conservado. Para nós brasileiros considero quase obrigatória a ida pois Ramos Pinto foi um dos poucos a considerar o mercado brasileiro como fundamental e não o europeu, com isso há várias conexões da cave com o nosso país, artigos de propaganda e até a maquete da fonte que o fundador da cave doou ao Rio de Janeiro. 

    Outras observações

    Algumas caves tem pequenos diferenciais que podem ser bem atrativos. Na Sandeman, os guias estão vestidos como o Don, o que é ótimo para fotos. Se não me engano, tanto a Sandeman quanto a Ramos Pinto ( e acredito outras caves) oferecem descontos caso você queira comprar garrafas e tenha feito o tour, algo em torno de 2 euros por isso se quiser comprar vinhos, não deixe de perguntar. 

    Todas as caves tem lojas e vendem produtos além dos vinhos. Marcas fortes como a Ramos Pinto e a Sandeman vendem até camisetas com suas célebres campanhas publicitárias. A Cálem oferece todas as noites às 6:30PM além do passeio, um show de fado que dura 50 minutos com prova de um tawny reserva (custo deste passeio é de 16 .5 euros).

    Outra dica é para compras. Além do vinho, existem diversos produtos interessantes que podem ser comprados nas caves. Como vinho é o tema, o que posso recomendar são os cálices para vinho do porto que todas vendem com os seus respectivos logos jateados nela. A Sandeman oferece algo ainda mais interessante; um decantador em porcelana no formato do seu logotipo, o Don. Este sai por 20 euros. 

    Conclusão

    Se está no Porto, não se pode deixar de ir. Se tem uma marca que já seja conhecida e de seu agrado, visite-a pois o tour será praticamente o mesmo em todas elas. Se quiser gastar mais um pouquinho e ver um pouco mais de história, a Ramos Pinto oferece a visita ao museu. Se dinheiro é problema, A Cruz oferece explicação e prova de graça. Se ver os tonéis é algo imprescindível e quer economizar ao máximo, a Offley oferece tour por 2.5 euros. 

    Sites

    Ramos Pinto:
    http://www.ramospinto.pt

    Sandeman
    http://www.sandeman.eu

    Cálem
    http://www.calem.pt

    Ferreira
    http://sograpevinhos.pt 

    Offley Forrester
    http://sograpevinhos.pt 

    Croft 
    http://www.croftport.com 

    Espaço Porto Cruz
    http://www.myportocruz.com

    Tags: vinho,Porto,Vila Nova de Gaia,caves,tawny,ruby,barril
    Publicado 1st August, 2012 Categoria Porto 2 Comentários Positivo () Negativo ()
  • Deixar um comentário
  • Comporte-se e permanecer no tópico! Seu endereço de email não será publicado.
  • Nome (necessário):
  • Email (necessário):
  • Comentários:
Copyright 2009 - Vivo Viajando | Posts | Comments Design Concept by Tony Wang based on CarbonCMS. XHTML|CSS