• Oct
    06
    Author: Erick Pessoa

    O nome já impõe certo respeito. Mesmo fazendo parte do grupo Hilton, os hotéis que carregam essa marca oferecem um nível de serviço superior, do que se espera em um hotel onde a diária mais barata não é menos que 300 dólares (sem café-da-manhã, claro). A filial de Xangai não fica atrás do eu estava esperando.

     Eu confesso que amo me hospedar em hotéis. Logicamente quanto mais confortável, melhor. Juntei dinheiro por seis meses para passar apenas uma noite aqui mesmo em Xangai, cidade que por um acaso estou vivendo. A localização do hotel não poderia ser melhor; de frente para a Bund, que é a rua de pedestres em frente ao rio Huangpu, permitindo ver do outro lado a moderna área de Pudong. O quarto que escolhi, logicamente foi o mais barato e não ofereceria a tão sonhava vista para o rio e sim para rua lateral. Antes mesmo da minha hospedagem, recebo um email do hotel perguntando se preciso de um carro para me buscar no aeroporto e se teria algo que poderiam fazer para tornar a minha estadia ainda mais confortável. Só para testar para ver se era algo automático do sistema de reservas, eu respondi com uma pergunta sobre a piscina e em menos de 30 minutos recebo a minha resposta. Realmente um atendimento diferenciado.  

     Na minha chegada, com uma modesta mala de mão e minha mochila com o meu computador, prontamente sou guiado através deste histórico prédio pelos seus corredores de mármore até outra ala do hotel, uma ala mais moderna. Pelo fato de participar do Hilton Honors me foi oferecido um upgrade de quarto caso eu quisesse esperar um pouco já que o quarto ainda não estaria pronto. Logicamente não hesitei em aceitar e fui direcionado ao business lounge, no terceiro andar para aguardar enquanto meu quarto fica pronto. Enquanto aguardo, tenho à minha disposição refrigerantes, café, chá e suco, além e claro de alguns biscoitos, tudo cortesia. Bem, depois de pagar tão caro pelo quarto, era de se esperar ao menos isso. Vale dizer quer para nerds como eu, o hotel oferece WiFi gratuito que cobre o hotel em sua totalidade. 

     Não esperei muito e em 20 minutos fui acompanhado até o meu quarto, no 11o andar. Valeu a espera, me deram um upgrade para um quarto com vista para o rio Huangpu. Ok, não é das melhores vistas já que estou na ala de trás e o meu andar não é do mais alto mas posso ver os icônicos prédios como a Pearl Tower e o SWFC (o que parece com um abridor de garrafas). 

     O quarto em si é enorme. Tem closet, banheiro com mármore em todos os locais e uma estrutura tecnológica incrível desde conexão ethernet (internet rápida mas paga) até Bluray player. Tem uma caixa com diversos cabos que permite você conectar seu celular, computador ou iPad com a TV para escutar música ou assistir vídeo. Tudo que se pode imaginar em termos de conforto, é oferecido. 

     Todos os produtos de higiene pessoal são do Salvatore Ferragamo e até a privada parece de ficção científica com sensor de aproximação, com termostato no acento e mais diversos controles. Nunca foi tão divertido usar o banheiro, ainda mais que este é extremamente amplo com uma banheira e o chuveiro e lavabo são independentes. 

     À cabeceira da cama existe um terminal de controle touchscreen que controla não só o despertador mas também as cortinas, temperatura do quarto , luzes e até conecta com o serviço de camareira. 

     A piscina é de tamanho considerável e oferece até um vestiário para evitar exatamente que hóspedes andem encharcados pelo hotel. Aberta das 6 às 23, é uma boa pedida para aquele exercício antes de dormir. Se for um insone, não tem problema, a academia, com equipamentos de última geração funciona 24 horas por dia. 

     Se  você assim como eu quer gastar o máximo de tempo possível dentro do hotel já que está pagando uma fortuna, o Waldorf Astoria Xangai oferece mais um bom pretexto; seu prédio histórico. Localizado no que antigamente era o mais elegante clube de cavalheiros de Xangai, o prédio neoclássico é de 1911 e foi totalmente restaurado, sendo um dos poucos prédios em Xangai a ser totalmente preservado daquela época então ler uma revista ou tomar um chá em seu imenso hall já é algo a ser divertir. Se curte drinks, altamente recomendável é o Long Bar, que tem uma bancada com impressionantes 34 metros de comprimento e um ar bem de gentlmen’s club com um toque moderno, oferece drinks desde clássicos criados pelos famosos bartenders da filial de Nova Iorque até a nossa famosa caipirinha. O divertido foi ter achado outro drink com cachaça chamado Latin Lover, que mistura cachaça, tequila, suco de limão e laranja. Este bar também é famoso pela suas ostras mas se prepare pois os drinks não saem por menos de 15 dólares.

     O que posso dizer que valeu cada centavo da hospedagem. 

    Tags: hotel,Xangai,Shanghai,china,Bund,superior
    Publicado 6th October, 2012 Categoria Xangai 0 Comentários Positivo Negativo
  • Aug
    26
    Author: Erick Pessoa

    Se você como eu não se cansa de ver essa paisagem tombada pela UNESCO, o hotel Yeatman atende à todas suas preces. Com todos os seus 82 quartos voltados para o rio Douro, da varanda do seu quarto você tem a incrível vista do casario do Porto às margens do rio e este hotel não economiza no conforto, na verdade. nada aqui é de segunda e tudo foi pensado para ter o perfeito equilíbrio entre o conforto, bom gosto e a cultura vinícola. Isso mesmo, vinho é o tema central, principalmente o vinho do Porto. 

    Segundo hotel do mundo a oferecer um spa Caudalie Vinothérapie, utiliza-se das propriedades do vinho e das uvas para diversos (e caros) tratamentos de beleza. Sinceramente, só a vista que é oferecida de todos os quartos é quase um spa em si. 11 dos 82 quartos são patrocinados por vinícolas tradicionais de vinho do Porto, muitas dela com caves que podemos visitar às margens do rio Douro como Croft, Ramos Pinto entre outras. A diferença desses quartos para os outros é a decoração exclusiva, que ficou à cargo de cada uma. Com isso temos pequenos detalhes como garrafas antigas, pequenos pôsteres com propagandas antigas e diferentes combinações de cores da decoração, tudo com excelente bom-gosto. 

    Como disse acima, cada quarto tem uma bela varanda que é brindada com a maravilhosa vista do centro antigo da cidade do Porto. Passei o ano-novo lá e a experiência foi inesquecível, vendo os fogos sobre a cidade do porto, saboreando um ótimo vinho local. A varanda é espaçosa, com aproximadamente 20m2 e tem uma mesa com duas cadeiras, podendo-se até efetuar pequenas refeições apreciando a paisagem. Essa vista é tão importante que até o banheiro tem vista para a varanda caso queira passar um tempo  relaxando na banheira com uma taça de vinho na mão, à lá filmes holywoodianos. 

    Se sua paixão é vinhos, esse hotel sem dúvida vai te atender. Além do spa e quartos temáticos, a piscina infinita (vista espetacular) tem o formato de um decantador e o principal; uma adega com mais de 25.000 garrafas e logicamente uma vasta oferta de vinhos  portugueses, com diversos Porto vintages. 

    Vale dizer também que o hotel tem um approach ecologicamente correto, utilizando-se de painéis solares e também colhendo a água da chuva assim como reciclando a água utilizada em seu prédio. 

    O café-da-manhã é farto, oferecendo desde pratos internacionais como também tradicionais guloseimas portuguesas. Obviamente tudo isso tem um preço mas vou confessar à vocês, poderia ser mais caro. Se um hotel como o Everest no Rio de Janeiro, em Ipanema mas fora da praia e sem vista panorâmica custa R$600, encontrar um quarto com mais de 25m2 e com a vista que oferece por em torno de 200 euros não é algo absurdo para um hotel de luxo e cinco estrelas. Vale dizer que se você reservar com antecedência, consegue suites por 139 euros (que foi o nosso caso).

    Se um dia quiser ter uma vida de rei, apreciando a bela vista que o centro histórico do Porto possa lhe proporcionar, não há nada melhor que o Yeatman. 

     Site: http://www.the-yeatman-hotel.com/en/

    Tags: Hotel,Portugal,Porto,
    Publicado 26th August, 2012 Categoria Porto 0 Comentários Positivo Negativo
  • Aug
    20
    Author: Erick Pessoa

    Se você visitar a Nova Zelândia e curte esportes de aventura, a cidade de Queenstown é parada obrigatória. Considerada por muitos a capital mundial de esportes radicais, foi aqui que um das mais loucas aventuras foi inventada: o Bungy jump.

    Opções para bungee jump em Queenstown são diversas mas a mais charmosa na minha opinião é o salto da ponte Kawarau pois lá foi onde se estabeleceu o primeiro salto de bungee comercial pelos pioneiros Henry Van Asch e AJ Hacket, quem em novembro de 1988 saltou de bungy da Torre Eiffel e tornou o bungy algo conhecido no mundo todo. Logo após essa jogada de publicidade (que custou 10 minutos de prisão para AJ Hacket), eles abriram a estação de bungy na ponte Kawarau.

    Este ponto não é o mais alto (este tem 43 metros de altura) e talvez não seja o que gere mais adrenalina mas como foi o primeiro, tem um valor histórico. O salto é sobre o rio e você pode escolher que se quer tocar na água ou até mesmo total imersão mas seja claro com o que queira e as vezes por condições diversas, isso pode não ocorrer. 

    Mesmo tendo esse ar rebelde de esporte radical, o processo todo é altamente profissional. Nós compramos o pacote via Viator e isto incluiu o transporte do centro de Queenstown até a estação de salto, o salto em si e a volta. Se você só quer assistir seu parceiro saltar, existe a possibilidade de pagar apenas o transporte (algo em torno de 20 dólares, se não me engano). O tour oferecido pela Viator oferece três partidas; 9:15PM, 12:00PM e as 2:40PM mas se você estiver de carro, fica apenas 20 minutos do centro de Queenstown assim terá mais maleabilidade com o horário.

    Depois de aproximadamente 40 minutos no ônibus, chegamos na estação do salto, que fica em uma garganta com um rio relativamente caudaloso na base. De rústico, a estação não tem nada. Toda bem planejada, tem um pequeno museu explicando como as cordas são feitas e demonstrando toda a segurança, tudo altamente profissional. O espaço também é planejado para entreter mesmo quem não vai saltar e está ali apenas para incentivar ou fotografar o parceiro aventureiro. Falando em fotografar, no preço do tour (ônibus e o salto em si) fotos e vídeos não estão inclusos mas por mais 80 dólares neozelandeses você pode comprar o kit photo e DVD, que te dá direito à baixar do site deles suas fotos em alta definição, um filme do seu salto e um pacote de fotos impressas e cartões postais. Tenho que dizer que até por trabalhar com cinema, o vídeo é super bem editado, considerando que eles fazem esse trabalho todo em torno de 15 minutos. São diversos ângulos, desde uma câmera no topo da plataforma até uma mais distante para dar uma visão geral. Vale cada centavo, tenho que dizer. Se não quiser gastar mais dinheiro, uma camiseta ao menos está garantida, pelo menos para provar aos amigos que você saltou. 

     Assim que você chega, você irá se pesar para que o pessoal da plataforma calcule o comprimento da corda que você vai usar. Nessa hora que você deve dizer se quer tocar a água ou não. Crianças com mais de 10 anos e qualquer pessoa com mais de 35 quilos e menos de 235 quilos podem saltar. Ah sim, tem que ser mais alto que 135 cms. Após isso, é só caminhar até a ponte, entrar na fila, tomar coragem e saltar. Tem um deck de observação para as pessoas que estão ali para dar apoio moral e é um ótimo ponto para tirar fotos e filmar. Depois do seu salto, você tem que segurar em um cano para que a equipe de "resgate" te puxe para o bote e te leve até a margem. Logo que você é puxado para o barco, o pessoal de apoio te mostra uma camera lá em cima, para onde você deve olhar pois ela além de filmar vai tirar uma foto da sua cara ou de êxtase ou de morto. :) 

    Eu adoraria ter a coragem para saltar pois parece ser uma experiência incrível. Altamente seguro, com uma equipe de apoio extremamente simpática e prestativa, como quase tudo que experimentei na Nova Zelândia, um país excepcional. 

    AJ Hacket Original Kawarau Bridge Bungy Jump

     Custo (com translado do centro de Queenstown) - NZ 180 (se quiser o pacote com fotos e DVD + NZ 80) via Viator.

     Site Oficial: http://www.bungy.co.nz/brazilian

    Tags: Nova Zelândia,Esporte Radical,Queenstown
    Publicado 20th August, 2012 Categoria Queenstown 0 Comentários Positivo Negativo
  • Aug
    12
    Author: Erick Pessoa

    Restaurantes à beira do Douro na badalada zona das caves em Vila Nova de Gaia tem aos montes mas como gostei muito deste, resolvi escrever um post detalhando minha experiência. 

     O restaurante O Bacalhoeiro me atraiu pelo nome. Como um bom brasileiro, sinto uma necessidade tremenda de comer bacalhau quando em Portugal. Com uma bela decoração moderna, acabei entrando pois como estava sozinho, me senti à vontade de pedir as coisas mais esdrúxulas que me viessem a cabeça. 

    Antes de mais nada, vale dizer que sou bem exigente com a qualidade do prato de bacalhau que como já que fui muito mal acostumado com as incríveis bacalhoadas preparadas pela minha querida Tia Luiza. Não existe no mundo Bacalhau com natas como o que ela prepara. Sendo assim, eu estava preparado para ser bem crítico. Resolvi pedir o que havia de mais diferente para mim no cardápio, que foi uma sopa de bacalhau. Enquanto esperava pedi dois bolinhos de bacalhau e duas pataniscas de bacalhau. Aqui vai a explicação como uma mera curiosidade; o bolinho de bacalhau é feito com batata e a patanisca leva farinha de trigo e tem uma forma de pequenas panquecas. Quando já estava preparado para reclamar da demora dos bolinhos e das pataniscas qual foi minha surpresa quando ambas chegaram quentinhas à mesa? Isso mesmo, quentes! Caso ainda não tenha percebido, em Portugal normalmente os bolinhos de bacalhau são servidos frios ou na melhor das hipóteses, à temperatura ambiente. Eles raramente são fritos na hora. Tanto os bolinhos quanto as pataniscas estavam ótimas e valeram até repeteco. A sopa de bacalhau estava bem saborosa também. 

    No dia seguinte repeti a dose dos petiscos entre uma visita as caves e novamente servidos quentes então não foi um acaso do destino, eles realmente são servidos desta maneira. Não deixe de pedir o azeite de oliva e aplique pelo menos um filete, fica delicioso. Eu particularmente sou viciado em azeite de oliva então dou um verdadeiro banho de azeite nos bolinhos, para espanto do garçom português. Os preços são acessíveis, com um prato individual de bacalhau custando menos de 15 euros. O serviço é aceitável mas nada especial nem super atencioso. 

    Site (que diga-se de passagem não funciona):
    www.obacalhoeiro.com.pt

     

    Endereço:
    Avenida Diogo Leite, 74
    4400-111 Vila Nova de Gaia

    Tel: +351-223-759-408

    Tags: Restaurante,Bacalhau. comida,Porto,Portugal,
    Publicado 12th August, 2012 Categoria Porto 1 Comentários Positivo Negativo
  • Aug
    04
    Author: Erick Pessoa

    Localizado no centro histórico da cidade do Porto, o Hotel Don Infante Sagres é considerado o melhor hotel boutique do Porto e faz parte do grupo Small Luxury Hotels of the World. Localizado entre as estações do metrô Trindade e Aliados, fica perto das principais atrações da cidade como a torre dos Clérigos, Estação de São Bento e até mesmo do cais se quiser caminhar um pouco mais (algo em torno de 15 minutos) e talvez por ser bem central e em um prédio dos idos dos anos 50, não dispõe de garagem então se estiver de carro, terá que pagar estacionamento mas pelo menos é bem próximo do hotel. 

    Logo no check in nos é oferecido uma taça de vinho do Porto, um dos grandes símbolos da cidade. O atendimento na recepção é extremamente eficiente e amigável e na verdade  o serviço em geral do hotel é de alto nível. 

    O lobby e os quartos são decorados em um estilo neo-barroco, o que ajuda a dar um ar luxuoso ao hotel assim com também o deixa com um ar mais histórico se comparado com as decorações modernas de outros hotéis cinco estrelas. Um ponto alto da decoração é o elevador antigo amplo, que tem até sofá dentro.

    Os quartos não são muito espaçosos mas são confortáveis, especialmente a cama. O sistema de ar condicionado é ultra moderno e altamente silencioso. Em termos de tecnologia, ele fica devendo pois a qualidade do sinal da TV não era boa e não oferece internet gratuita. Até pouco tempo a única opção era via wifi da swisscom, comum em hotéis de luxo e caríssima, cobrando 20 euros por dia. Agora pelo menos existe outro serviço que se paga 3 euros por dia para ter acesso à internet no quarto. 

    A maior vantagem do hotel acaba por ser também um dos grandes problemas no fim-de-semana, pelo menos no verão. Por ser bem central e especialmente em uma região relativamente boêmia da cidade, não é raro ter shows com música ao vivo exatamente em frente ao hotel e os frequentadores dos bares saem aos berros por volta das 3, 4 da manhã. Dependendo do quarto que você fique e quão leve seja o seu sono, isso pode se tornar um problema. Nas três noite que fiquei no hotel (quinta à sábado) todas as noites tiveram eventos mas como eu tenho o hábito de dormir tarde, não me incomodou mas ao fazer o check out no domingo de manhã, ouvi um casal pedindo para trocar de quarto exatamente por causa do barulho.  

    O quarto duplo sai em torno de 120 euros, o que é um ótimo preço pelo serviço, localização e conforto. Vale dizer também que neste valor está incluso café-da-manhã continental, onde são oferecidos três pratos quentes (ovos mexidos, bacon, salsicha) e um bufê. Farto mas nada surpreendente.  

    Entre os serviços do hotel, existe um spa (Angkor Wat) que confesso não ter experimentado já que estou vivendo em Xangai, onde massagem aqui é quase tão comum como botequim da esquina no Rio de Janeiro. 

    Conclusão

    Bom preço para um hotel boutique com uma localização e serviço espetacular. Infelizmente, a vizinhança é movimentada e pode afetar quem procura por paz e sossego. 

    Site 

    http://www.hotelinfantesagres.pt/PT/index.html

    Tags: Hotel,Portugal,Porto,
    Publicado 4th August, 2012 Categoria Porto 0 Comentários Positivo Negativo
Copyright 2009 - Vivo Viajando | Posts | Comments Design Concept by Tony Wang based on CarbonCMS. XHTML|CSS